Carolina Stofella conta sobre sua relação com os animais e incentiva a adoção | Contei

Natural de Santa Catarina, a atriz Carolina Stofella é conhecida por sua atuação em peças premiadas e por sua paixão pelos animais.  Entre seus melhores amigos está Zé, seu cachorrinho adotado em 2014, quando foi encontrado na rua com apenas um mês de vida.

A relação da atriz com os animais começou há treze anos quando sua mãe ganhou uma cachorrinha de uma amiga.  Na época, Carolina estava em Florianópolis fazendo um MBA, então ficava muito tempo com a companhia da Bella. Essa convivência trouxe um entendimento maior sobre os animais, suas vontades e sentimentos. “Esse tempo com a Bella despertou em mim um novo olhar sobre os animais, eles são feitos de amor. O tempo todo nos entregam tanto amor”. Não só a visão da atriz mudou, mas das pessoas ao seu redor também, sua mãe já adotou mais de dez cachorros, e hoje faz parte da Comissão de Direitos dos Animais em Santa Catarina. “É lindo vê-la nessa luta. Isso brotou em mim essa sementinha da adoção” conta a atriz.

Passeando em uma praia do sul, Carolina encontrou Zezinho (José), ele veio andando em direção da atriz, e junto com o filhote ela encontrou uma ninhada com mais quatro cachorros. “Ele parecia um ratinho, de tão pequenininho.  Peguei e levei para casa e depois achei os outros cachorrinhos abandonados com ele.   Eu e minha mãe cuidamos de todos até serem adotados. Achamos uma crueldade abandoná-los assim, tão indefesos. Não pensei em ficar com o Zé na hora, mas ele foi ficando conosco e foi um amor sem tamanho! Ele é um cachorro que vive sorrindo. É a alegria da casa”, conta Carolina.

A atriz costuma incentivar a prática da adoção em seu ciclo de convivência e conscientizar as pessoas ao redor da importância deste ato para os animais que precisam de um lar, e para combater a crueldade das matrizes em canis. Mas Carolina alerta para grande responsabilidade que o ato atribui. “Eu sempre converso muito sobre a responsabilidade que é adotar uma vida. É muito triste ver alguns bichinhos que são devolvidos depois de serem adotados, então tem que ser uma ação bem pensada e uma vontade que desperta no coração mesmo,” enfatiza.

 

Foto: Divulgação